sábado, 30 de maio de 2009

Bahia e Portuguesa empatam sem gols

Comentários
O jogo entre o Bahia e Portuguesa pela quarta rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, realizado no Estádio Canindé, em São Paulo, terminou em 0 X 0. Apenas um ponto separa as duas equipes na tabela. A Portuguesa ocupa a 4ª colocação do Campeonato Brasileiro da Série B, com 7 pontos em três partidas. O Bahia continua em em 7º, com apenas um ponto atrás do time paulista.

Apesar das substituições feitas pelos dois times o jogo permaneceu com jogadas fracas e os jogadores não criaram muitas oportunidades para fazer o tão esperado gol. Na Portuguesa, o técnico Paulo Bonamigo, substituiu Wilton Goiano por César Prates, Christian por Ednei e Tatá por Piraju

Alexandre Gallo também tentou sacudir a equipe com as modificações no time..Roberto entrou no lugar de Ávine, Alex Terra foi substituído por Paulo Roberto e Beto por Leandro. A partida contou com 11 cartões. No primeiro tempo Anderson Paim, da Portuguesa, fez falta e foi penalizado com um cartão amarelo e quatro minutos depois, fez uma nova falta e foi expulso de campo.

No segundo tempo o time do Bahia também perdeu um jogador. Evaldo foi expulso aos 37 minutos. No finalzinho do jogo a portuguesa apertou as jogadas e o Bahia passou por sufoco, mas o jogo terminou sem gols. Com informações da Tribuna Online



Jogos - Série A

Coritiba 1 x 3 Goiás
Atlético-MG 0 x 0 Santo André
Botafogo 2 x 2 Sport

Resultados da 4ª rodada
Sábado (16h10)

Portuguesa-SP 0 x 0 Bahia-BA
Paraná-PR 3 x 1 Vasco da Gama-RJ
Brasiliense-DF 2 x 0 Juventude-RS
Ipatinga-MG 5 x 1 Campinense-PB

São Caetano-SP 0 x 1 América-RN
Duque de Caxias-RJ 1 x 2 Vila Nova-GO (21h)

Série B - Sexta-feira
Guarani-SP 3 x 2 Bragantino-SP
Atlético-GO 1 x 1 Ponte Preta-SP

Série B de terça-feira
ABC 2 x 1 Fortaleza
Ceará 2 x 2 Figueirense

Nova Fonte Nova será a atração turística do futuro

Comentários
O novo estádio da Fonte Nova terá suas características arquitetônicas atuais preservadas, mantendo a abertura em formato de ferradura, voltada para o Dique de Tororó. A capacidade será para 55 mil pessoas, podendo ser ampliada para até 60 mil, com instalação de arquibancadas provisórias na abertura da ferradura.

Ao todo, serão 47 camarotes com 1.330 assentos e uma área multiuso. Serão construídos, em área anexa, equipamentos de estacionamento com capacidade para cinco mil vagas. Um dos detalhes principais do projeto é a moderna cobertura (semelhante à utilizada no estádio da cidade de Hannover/Alemanha), que usará uma estrutura leve para não prejudicar a visão do entorno do estádio.

Segundo o Diretor-Superintendente da Sudesb, Raimundo Nonato, o Bobô, os trabalhos começaram em maio de 2007, com o preenchimento dos cadernos de encargos da Fifa. “Domingo este esforço do Estado da Bahia será coroado com a vinda para Salvador de um dos eventos mais importantes do mundo, que é o Mundial de 2014” disse Bobô.

A vinda da Copa do Mundo para Salvador vai significar um investimento de mais de R$ 2,6 bilhões em infraestrutura é o que vai ficar de legado para o povo baiano após os jogos do Mundial. Os recursos vão sair basicamente da iniciativa privada e do governo federal, com a menor contrapartida possível por parte do Estado”, afirmou o chefe de gabinete do Governador, Fernando Schmidt.

Serão investimentos na organização do transporte, em infraestrutura urbana, incluindo a Via Expressa Baía de Todos os Santos, a conclusão das primeira e segunda linhas do metrô, o projeto Transalvador, que está sendo desenvolvido pela prefeitura, a modernização da linha ferroviária Calçada-Paripe, além de todo o programa de mobilidade urbana que vem sendo desenvolvido pelo governo federal, desobstruindo grandes pontos de estrangulamento no sistema de mobilidade e transporte urbano em Salvador.

Baianos esperam no Pelourinho

Ao som dos blocos afro Olodum e Ilê Aiyê, os baianos estarão concentrados no Pelourinho, em frente à Fundação Casa de Jorge Amado, na tarde deste domingo (31), para aguardar a divulgação, pela Federação Internacional de Futebol (Fifa), das 12 cidades-sede da Copa de 2014. A festa é organizada pelo Governo do Estado, em parceria com a Prefeitura de Salvador e terá transmissão com flashes ao vivo pela TVE Bahia.

“Será a primeira comemoração por Salvador estar se confirmando como sede da Copa de 2014. Este é, na área do esporte, o espetáculo mais assistido do mundo”, observou o governador Jaques Wagner. Segundo ele, “se a copa vem para cá, o mérito maior é da nossa torcida, da nossa imprensa que comenta o esporte, evidentemente do nosso trabalho”, relacionou. Com informações da Tribuna/Agecom

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Rescaldo

Comentários
Em surdina - O Bahia contratou mais um meio campista, dessa vez as coisas foram feitas em surdina, tanto assim que o moço já consta como inscrito na CBF. Trata-se do jogador Silvestre que atuou no campeonato baiano pelo Camaçari, quando inclusive fez gol contra o Bahia em Pituaçú.

Copa do Mundo – O governador Jaques Wagner anunciou a festa e convidou os baianos para domingo receberem juntos o anuncio das cidades sedes do Brasil na Copa de 2014, no centro histórico de Salvador - pelourinho. Salvador está confirmadissima, não há zebra, garante o governador.

Série B: Guarani continua imbatível - O Guarani continua imbatível na Série B do Campeonato Brasileiro. Com um gol aos 45 minutos do segundo tempo, o Bugre derrotou o Bragantino por 3 a 2, nesta sexta-feira, no Brinco de Ouro, em Campinas, pela quarta rodada da competição. Dono de 100% de aproveitamento, time campineiro assumiu a liderança da Segundona, com 12 pontos.

Atletico/GO empata jogo em casa - Jogando no Serra Dourada também nesta sexta feira, a Ponte Preta empatou com o Atlético-GO em 1 a 1. A partida marcou a estréia do técnico Pintado no comando do time paulista. Com o resultado, a equipe de Campinas permaneceu na 11ª posição da tabela da Série B, enquanto o time da casa subiu para a quinta colocação.


Bobô O Superintendente da Sudesb, Bobô, reafirma sua intenção de ainda tomar as cantina do Bahia, que hoje administra o serviço através de Liminar, afirma também manter a Outplan à frente das catracas de acesso a Pituaçú, para tanto vai apresentar nesta segunda feira, licitação especifica. Marcelinho diz que lutará pelo controle do seu público, baseado no estatuto do torcedor.

Gallo está demissionário - Alguns cronistas de Salvador garantem que Gallo joga amanhã suas últimas cartadas no tricolor. Se perder, volta com um pé fora do Bahea, isso suposto, por conta das radicais mudanças para enfrentar a portuguesa. O Bahia joga amanha no Canindé com: Marcelo, Marcos, Evaldo, Nem e Ávine, Leandro, Hernani, Rogério e Rubens Cardoso, Alex Terra e Lima. Marcelinho disse ontem que essa especulação de saída de Galo não procede, mas como palavra de dirigente nestas situações e nada é a mesma coisa, a torcida do Bahia que bote suas barbas de molho, não pela saída de Gallo e sim pela bronca que pode desembarcar no Fazendão. Esse o maior medo!

Nelsinho Batista – Assim como se especula com Galo do Bahia, o Técnico do Vitória, Carpegiani, parece está também com um pé fora do rubro negro, muito vai depender do jogo de domingo frente ao Grêmio no Barradão. Nelsinho é o mais cotado tanto para o Barradão quanto para o Fazendão.

Jhasmani continua - Presidente do Bahia diz que Jhasmani assina contrato na 3ª feira, barrando os boatos na cidade de que o garoto voltaria para a Colômbia e lá aguardaria a janela internacional abrir, para possibilitar a inscrição do jogador. Segundo Marcelinho o jogador permanecerá em Salvador, treinando se adaptando ao nosso futebol, para quando disponível incorporar-se ao esquadrão. Boatos dão conta de que o Vitória já tenta atravessar o Bahia.

Cartão Verde Bahia – Paulo Cerqueira no Cartão Verde da TVE já admite que o Vitória deva mudar de divisão se mantido o perfil fraquíssimo que vem apresentando, quando joga fora de Salvador, o que foi de pronto corroborado pelo excelente Comentarista Jorge San Martin, que inclusive considerou que o Vitória não tem estrutura para manter um plantel de 43 jogadores. Bom lembrar que Paulo Cerqueira, um bom comentarista por sinal, é rubro negro confesso, por onde passa sempre reafirma isso.

Segunda divisão baiano I - Bahia de Feira saiu na frente da segundona do baiano, deu de 5 no Guanambi, protagonista do mico nacional em 2008, quando tentou produzir placar irregular na competição em consórcio com o saudoso Leônico. Dessa vez não deve ter mais tantas pretenções tendo em vista o chocolate que leovu do jegue de aço.

Segunda divisão baiano II - Juazeirense resistiu bem ao Vitória B, ops, digo Galícia. O jogo ficou no empate em 2 a 2, um bom resultado para os rubro-negro-azulino se considerarmos que o jogo foi no Adauto Morais, amanhã, sábado (30) estréia em seu pitu-azul, tão reclamado, quando será mais bem avaliado.

E.C. Bahia numa nova era

Comentários
Por que uma prestação de contas será transformada em um evento político? Uma pergunta boba, mas que provaca reflexões mais profundas que o simples interesse político. Na verdade, estaremos na próxima quinta-feira presenciando a retomada do Bahia ao bonde da história. Era notório que há muito tempo os reclames da torcida e de principais grupos oposicionistas se davam em função da dificuldade da passagem do tricolor para uma nova era em que a transparência com a prestação de contas dos seus administradores tornasse o Bahia um clube fiscalizado e mais sério, capaz de atrair investidores que já não estariam entregando seu dinheiro a aventureiros, mas para pessoas, tricolores, que tinham compromissos institucionais de prestar efetivamente contas aos demais sócios.

As adminsitrações que passarão depois desse evento da próxima semana deixarão o clube com condições de disputar no mercado, numa situação de igualdade contra qualquer outro clube do sudeste ou sul do país, patrocínios de empresas que sempre quiseram associar sua marca ao E.C.Bahia, mas que temiam um envolvimento maior com o tricolor da boa terra devido ao grande e vasto feudo que o Bahia representava em termos de primariedade administrativa e valores de um velho arcaísmo político; tanto combatido, ao mesmo tempo que com suas muralhas do atraso, deixavam o tricolor isolado da evolução que acontecia no futebol brasileiro com clubes mais transparentes, estatudos modernos e escolha democrática de seu Presidente.

Hoje, esse sonho está próximo de acontecer. Na próxima quinta-feira o Bahia estará recebendo diversos segmentos do clube, oposicionistas e situacionistas, ligados unicamente com o fim de soerguer o Bahia, um gigante do futebol nacional. Estaremos além disso presenciando um acontecimento que recolocará o Bahia de fato como grande clube de futebol profissional, já que o Bahia sempre esteve desde cedo vocacionado para tal fim. O profissionalismo, contudo, não é uma novidade no Bahia. Tivemos presidentes no tricolor baiano que instalaram na Bahia o chamado empresário do futebol, "o cartola". Pessoas dinâmicas, como o ex-presidente Osório Villas Boas, que fizeram de seu personagem de dirigente de clube quase que uma associação com suas personalidades. Outros o seguiram, com êxitos e fracassos retumbantes.

É verdade, o tempo passou e esta feição de administração já não fazia sentido num futebol agora marcado pela lei Pelé, que definitivamente elevou os clubes prematuramente a uma condição de uma empresa como outra qualquer. Diante desses desafios já não restava outra opção ao Bahia, criar um novo padrão de administração. Dessa vez unicamente voltado para um profissionalismo e administração notadamente impessoais. O administrador no Bahia terá, agora, que prestar contas e sempre será questionado dentro dos padrões legais, não mais o Bahia será um feudo dirigido contra a vontade dos seus sócios e torcida. A esperança que essa abertura traz já carrega consigo mesma a renovação de nosso Estatuto, cujo tempo o deixou velho demais.

Pegando no tranco

Comentários
Cantado em versos e prosas, competições de pontos corridos, inicialmente admitido na Europa e por último no Brasil, veio muito mais para adequar o nosso futebol ao jogado no resto do mundo e principalmente para atender aos mais poderosos, em detrimento das realidades regionais, quando o norte/nordeste ficaram no prejuízo, já que tiveram que se moldar a outras situações economicamente mais estabilizadas.

Do ponto de vista da justeza, inquestionável esse tipo de competição. Pontos corridos. Passa para o publico a idéia de sensatez, no inicio o brilho foi muito questionado, por conta da ausência de partidas finais, aquela que de fato envolvia as emoções, justamente por conta de igualar as forças numa decisão, muito mais pela adrenalina do que por outro motivo qualquer e sob esse ponto de vista, vai se sustentando sob prejuízos de outros. Tivessem questionado sob outros argumentos não menos importantes, como a sobrevivência do futebol do Norte Nordeste, talvez aí os argumentos pudessem ter sido quebrados, senão outras soluções mais reclamadas por cá, sido atendidas.

Não a toa que a CBF mantém a Copa do Brasil, em detrimento inclusive das competições regionais, assim segue uma competição de moldes mais tradicionais em contrapartida da competição de pontos corridos, que premia os mais bem estruturados financeiramente, já que o aporte financeiro investido é diretamente proporcional as suas posições nas competições, mas como no futebol, às vezes se foge da lógica, acontece eventualmente alguém ascender a um posto não habitual para logo cair na sua cruel realidade.

Invariavelmente também ocorre, até por conta do abstrato do futebol, vira e mexe alguém dentre os nordestinos ascende ameaçando postos dos times do sul/sudeste. Até aqui esses acidentes de percurso tem estimulado os pobres do norte/nordeste, quando em sonhos se imaginam uns superiores aos outros sejam internamente, no caso baiano, seja externamente, como no caso dos pernambucanos em relação à Bahia de agora, que por ora, ainda mantém dois times na primeira divisão do futebol brasileiro, enquanto na Bahia apenas o Vitória vem se mantendo no topo.

Não muito longe tivemos o futebol pernambucano num ostracismo desgraçado, bem recentemente ascenderam, mas já dão sinais de cansaço, haja vista, parece, andaram botando o chapéu além do alcance e já começa a ter dificuldade para apanhá-los. Válido, até porque, se não lançassem seus chapéus tão longes, não teriam esses recentes momentos de graça.

Alguns mais românticos já vão apontando a má relação do presidente da FPF com a política da CBF, como um dos fatores contributivos numa possível queda futura, ou seja, já preparam o discurso para se enganarem, eles lá e nós por cá, afinal sonhar é doce, mas a cana também é doce, mas é dura, se vacilar quebra a ponte fixa e haja prejuízo.

Não resta dúvida que competições por pontos corridos são mais justas do ponto de vista de vencer sempre o melhor, mas a realidade brasileira essa justeza só vai se adequando por conta das variantes apresentadas como, por exemplo: Acessos a Libertadores, Sulamericano, acessos e decessos entre Séries. Mas, tem nada não, quando saturamos desse ambiente de elitização unilateral, a saida vai ser a Copa do Brasil nos moldes mais tradicionais para nos agarrarmos, até acharmos outras formulas que se ajustem a um país de dimensões continentais como o nosso.

Enquanto divagamos sobre o tema ora exposto, ficamos a rememorar sobre outras variantes do campo político e social de nossa história e aí observamos que sempre estamos mesmo é pegando no tranco, evoluindo gradualmente, passo a passo, vencendo etapas já que, o que é bom para Chico nem sempre é bom para Francisco, mas nem por isso deve deixar de existir.

A realidade econômica que a marolinha internacional, nos impõem, por ora, pode se encarregar de mudar a realidade das coisas. No passado torcedor mais fanático ojerisavam ver seus mantos sagrados exibirem marcas comerciais, agora, até sonhamos com qual marca nosso glorioso vai se apresentar, de fato, até torcemos pra que isso aconteça logo. Já imaginou o Bahia expondo Odebrecht, BNB, Banco do Brasil, Casas Bahia ou até mesmo o Bahêa Vip/Bora Bahêa. No caso do Vitória, exibirem marcas da Prefeitura de Salvador, Governo do Estado da Bahia, Sudesb ou Sou mais Vitória. Que luxo, hein!

Quem sabe não vai ser por aí que as coisas poderão se ajeitar, até porque 'marcas’ investe mesmo é em maior e mais magnanima exposição, os interesses são pontuais e variam muito dentro do tempo, da história e principalmente da cultura, por exemplo, não há porque uma grande marca nordestina patrocinar um clube do sul sudeste e vice versa e talvez seja por aí o ‘vamos acordar’ nordestino, de forma que haja competições de Série A,B,C e D de lá, dos abastardos e outras Séries A,B, C e D de cá dos menos favorecidos, mas que ao final, uma disputa seja feita entre os vencedores deles contra os nossos, definindo o campeão nacional, isso para evitar um possível e perigoso aparthaid.

O gênio de um Osório Vilas Boas faz inveja

Comentários
O chororô do Presidente do Vitória pela decisão do TJD de inocentar Marcelo chamou a atenção pela "inocente" transmissão de preconceitos contra um ex-policial que conseguiu botar o futebol baiano além das nossas fronteiras e ser reverenciado por todo o país. Talvez, esse seja o principal crime de Osório. Para difamar a memória de Osório sempre costumam lembrar o famoso livro do gênio de um ex-policial, Osório Villas Boas, que escreveu supostamente nesse livro uma confissão ficta em que tinha subornado e praticado vários delitos contra o futebol bahiano. É de se esperar que Osório não ganhasse muitas simpatias pelo lado dos rubro-negros, mas atribuir a Osório fatos respaldados em uma confissão ficta é o mesmo que o Presidente rubro-negro vestir-se de mulher e dizer que foi Osório que o vestiu para difamá-lo.

Admirar a inteligência do gênio de Osório Villas Boas pelos títulos que conquistou para toda a Bahia, principalmente o primeiro título da Taça Brasil, em 1959 é fácil. Títulos que Osório ganhou e que ganharam projeção em todo país. Enfim, a Bahia era adicionada ao mundo do futebol brasileiro. No entanto, os torcedores do Vitória insistem com acusações baseadas em confissões fictas. Explico melhor. Uma confissão para ser efetiva deve estar relacionado a um certa formalidade como o desejo de alguém vir a um tribunal e perante a uma autoridade se pronunciar confessando sua culpa.

Ora, atribuem a Osório uma confissão ficta, uma confissão que estaria supostamente no livro que escreveu, que é tratado por muitos também como pura mitologia do futebol bahiano, uma vez que são carregados de elementos folclóricos o livro de Osório, contando episódios que marcaram o imaginário do povo de sua época. Teve um "causo" atribuído a Osório de um presidente do Vitória ter mandado desenhar e fixar na parede do vestiário do Vitóira os jogadores rubro-negros vestidos de mulher, depois atribuiu tal feito a Osório para instigar o brio dos rubro-negros. Esses "causos" e muitos outros estão lá no livro em que muitos, sem ter lido o livro, acusam o velho Osório de praticas em que o ilustre ex-presidente do Bahia como tivesse feito numa confissão "efetiva".

Talvez, uma das passagens mais curiosas do livro de Osório diga respeito a um episódio em que ele fora aos jogadores do Sport oferecer-lhes bebida e comida de graça a título de um presente (presente de grego) homenageando o resultado em Recife da primeira partida por 6 x 0. O resultado foi que os jogadores do Sport depois da farra entravam em campo cambaleando, por sua vez Osório mandou deixar no placar o resultado do jogo em Recife para mexer com os brios dos seus jogadores, a partir daquele momento o Bahia partia com 2 x 0 sobre o Sport e seguia rumo para se tornar o primeiro campeão da Taça Brasil de 1959.

Essa era uma época romântica do futebol brasileiro, a era de Osório. O futebol era mais apaixonante. Nossos dirigentes eram ingênuos comparados a outros que hoje militam abertamente fazendo lobie de uma Copa do Mundo no Brasil, para isso apoiando um Presidente da CBF, que já foi chamada de casa bandida do futebol. Pessoas que barraram a CBF-NIKE para protejer uma instituição envolvida em acusações graves que jamais poderia ter uma carta em branco para patrocinar a Copa do Mundo. Não que eu não me sinta orgulhoso pelo meu país, mas não confio nas pessoas que estão por trás desse lobie, haja vista as inconclusas prestação de contas do PAN.

PS.: Na foto está a Taça Brasil de 1959 conquistada pelo Bahia, Osório Villas Boas e ACM.

Bahia e Vitória correndo atrás

Comentários
Os clubes baianos de futebol estão se afogando na “marolinha” de Lula. Com as grandes empresas passando por um período de incerteza financeira e receando fazer grandes investimentos, Bahia e Vitória sofrem com a falta de patrocínio.

Os clubes conseguiram fechar apenas apoio para cotas consideradas secundárias, que são o calção, as mangas e o centro da camisa, mas ainda buscam o chamado patrocinador máster.


Bahia prefere esconder o jogo. A situação do Bahia é a mesma do Vitória quando se trata do patrocinador master – o clube continua sem um grande apoio. Mas, ao contrário do rival, a diretoria faz de tudo para esconder as negociações que podem estar em andamento.

O diretor de marketing, Nilton Maia, argumenta que a divulgação dos nomes e valores pedidos pelo clube baiano pode atrapalhar as negociações com os potenciais patrocinadores do time.


No
Vitória, o diretor de marketing Ricardo Azevedo revelou que o clube já esteve perto de fechar com três empresas. Segundo ele, o Rubro-negro está propondo uma parceria de um ano por R$ 2 milhões. “Este é um valor de Série B de dois anos atrás”, ressaltou. Na semana em que comemorou 110 anos de fundação, a Vitória fechou acordo com a rede Abbcs para as mangas da camisa. Como parte do contrato, a empresa vai transformar os bares do Barradão em lanchonetes. Com informações do jornal da Metrópole

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Sobre a Outplan, Bobô esclarece

Comentários
BobõAgora à noite Bobô deu entrevista onde reafirma que segunda feira vai divulgar a tal licitação das catracas, ou seja, quer queira quer não o Bahia vai ter que se adequar aos interesses do estado. Também esclareceu Bobô que a Outplan paga a Sudesb pelo direito ao uso do serviço, com isso fica então esclarecido que Pituaçú é bi-tributado para o usuario, resta saber se é legal essa bi-tributação. O Bahia paga 6% do total da renda como aluguel e de forma subliminar paga novamente pelo uso das catracas, só que por ingresso confeccionado. Por isso esse R$ 1,00 a mais por cada bilhete confeccionado.

Ainda assim Bobô disse que o Vitória paga bem mais à BWA do que o Bahia à Outplan. No Barradão os valores cobrados para uso das catracas e confecção dos bilhetes chegam a 10% do valor da renda. Disse ainda Bobô que no último jogo no Barradão o vitória pagou em torno de R$ 70.000,00 pelos serviços da BWA.

Marcelinho disse também agora à noite que vai continuar lutando pelo direito do Bahia nessa questão.

Um certo espírito nos informou, através a doutrina kardequiana, que há mais coisa entre o céu e a terra do que nossa vã filosofia possa imaginar. Fazer o quê? Vamos aguardar o desenrolar dos fatos e torcer para que a solução traga felicidade para todos, afinal somos simples mortais, apenas nos adequamos ao jogo.

Bahia pode ter um novo estatuto em até 45 dias

Comentários

O presidente do Esporte Clube Bahia, Marcelo Guimarães Filho, está prestes a cumprir uma das principais promessas de campanha feitas no final do ano passado. De acordo com a assesssoria de imprensa do clube, um novo estatuto, que deverá instituir eleições diretas no tricolor baiano a partir de 2011, deve ser apresentado dentro de 30 ou 45 dias, o que atende a reivindicações feitas por torcedores e sócios, que aguardam para ter o direito de decidir o futuro de um clubes e maior tradição do futebol brasileiro.

Além do novo estatuto, o presidente do Bahia também deve apresentar um balanço financeiro do primeiro semestre do clube, o que deve ocorrer no dia 4 de junho, durante um evento exclusivo para membros do Conselho Deliberativo e convidados.

Na mesma data, será eleito um Conselho Consultivo para o clube, que deverá auxiliar a diretoria do Bahia e apresentar planos para o futuro da equipe tricolor. O Conselho, no entanto, ficará restrito a apresentação de propostas, já que a tomada de decisões continuará a ser realizada pelo Conselho Deliberativo.

A ciumeira galática

Comentários
Como somos uma tribuna livre, onde dizemos o que queremos resguardados apenas às limitações da legislação pertinentes, todos falam o que querem, criticam e são criticados com toda a liberdade de um Blog de opinião democrática, se não tão democrático, por conta das cores do Time que a maioria defende, pelo menos permite que outros exponham seus discursos livremente, por isso é que assumo a defesa da Diretoria do Bahia de enfim chutar o balde. Fico como se dizem nas minahs paragens: De coração lavado. Se as cores do Bahia tremulam muito mais acima das bandeiras daqui, é por haver maior participação dentre os tricolores do esquadrão de aço, ficando os rubros negros, principalmente, presos aos seus ambientes próprios, pelas suas preferências, mas esse espaço sempre esteve aberto e continua assim para receber textos e criticas tanto quanto aos nossos textos individuais como aos replicados, de forma que os comentários, a tônica mais forte dos debates, para aprovação ou desaprovação as nossas atitudes e idéias.

Todas essas lengalengas da introdução desse texto têm um objetivo. É que escrevo agora para criticar parte da mídia baiana, que a pretextos, por ora superados, buscam desestabilizar o Bahia. Espero que os rubro-negrino-azulino daqui compreendam e até nos apóie, entendendo que as disputas entre Bahia-Vitória-Galicia-Bahia de Feira, continuem sendo disputados noutros âmbitos que não a ignomínia, a falsidade e principalmente não pretendam prejudicar o futebol baiano por conta de objetivos não muito claros e particulares.

Chamo a atenção ao texto do ‘A Tarde Esporte Clube’, inclusive em link lateral de nosso Blog sob o título de (Jhasmani já chega com status de celebridade no tricolor). O texto do Jornal, feito em parceria, veio tentar degradar mais ainda a relação da Diretoria do Bahia com os setores da imprensa e sua torcida, comandada por Marcio Martins que especialmente trabalha nos bastidores com outros fins. O setor da imprensa que Martins alega ser privilegiado foi a Rádio Transamérica por conta de entrevista do jogador imediatamente após seu desembarque no Aeroporto de Salvador. Chora o radialista a exclusividade dada ao seu concorrente, o que significa já sentirem o ostracismo que acertadamente a Diretoria tricolor tem-lhe imputado, em relação às noticias do Bahia, apesar de serem eles ‘os galaticos’ , segundo dizem, lideres em audiência dentre as ‘FM’. Se de fato houve tal preferência, particularmente, vejo positivamente para o caso, acho, já que sou dos que enviam email ao Bahia exigindo seja tal veículo muito mais desprezado nessas relações.

Fosse Paulo Carneiro, um cordeiro, não teria levado o Vitória a tantas glórias, pois que à época, a imprensa baiana era de fato muito mais tendenciosa e só com atitudes fortes de Paulão foi possível reverter muitas situações. Lembro que grandes radialistas como Armando Oliveira, Djalma Consta Lino e Silvio Mendes, transmitiram jogos do rubro negro via celular, de cima dos morros dos arredores do Barradão, tudo, para fazer-se respeitar e conseguiu. A cabine destina à Rádio Sociedade, à época, ficou fechada e eles de fora, até retratarem-se perante a instituição Esporte Clube Vitória. A isso não podemos intitular simplesmente de ARROGÂNCIA, muito mais foi ATITUDE necessária às vezes quando não se quer ser explorado por tais sensacionalistas.

Bahia leva desvantagem em confronto com a Portuguesa

Comentários
Ao todo, Portuguesa e Bahia já se enfrentaram 22 vezes, com 12 vitórias para o time do Canindé, oito vitórias para os baianos e dois empates. A maior goleada dos paulistas foi um 5 a 2, no Brasileirão de 1995, e a do Bahia foi um 4 a 2, em 2002, no fatídico jogo que culminou no rebaixamento da Portuguesa de Desportos para a 2ª Divisão.

A média de gols nos confrontos é grande, de 2,8 por jogo. Pelas estatísticas, no próximo sábado quem for ao estádio do Canindé deve assistir a uma partida com um grande número de gols. O último jogo entre Portuguesa e Bahia foi há quatro anos atrás, no dia 13 de maio de 2005, no Canindé, válido pela Série B do Brasileiro.

Com a vitória, a Lusa quebrou a invencibilidade do Bahia e, de quebra, assumiu a liderança da série B, ao lado do Santo André. Os gols da Lusa foram marcados por Cléber duas vezes, Leonardo e Márcio Silva, e o Bahia descontou com Cícero. O meia Cléber terminou vindo para o Bahia, onde morreu vítima de um aneurisma.

A região Nordeste é a que tem mais representantes na Série B do Campeonato Brasileiro. Supremacia quantitativa que não se reflete na tabela de classificação. Metade dos representantes ocupa hoje a zona de rebaixamento para a Série C do Campeonato Brasileiro.

Das seis equipes nordestinas, a que ocupa melhor colocação é o Bahia, seguido pelo América e pelo ABC, ambos de Natal. O restante, o Ceará, Campinense da Paraíba e o Fortaleza, ocupa as quatro últimas colocações da 2ª Divisão.

Esse número só não é pior porque o ABC, o Fortaleza e o Ceará já jogaram pela quarta rodada da competição. Na terça-feira, o ABC venceu sua primeira partida – derrotou o Fortaleza por 2 a 1, em Natal – e subiu para a 16ª colocação com três pontos conquistados.

Já o Ceará, que também jogou em casa, apenas empatou em 2 a 2 com o Figueirense. Resultado que garantiu o segundo ponto do time de Fortaleza e fez com que o Paraná (com apenas um ponto) caísse para a zona de rebaixamento da competição.

A quarta rodada terá continuidade amanhã com mais dois jogos. Às 21 horas, o Guarani recebe o Bragantino no Estádio Brinco de Ouro e o Atlético de Goiás enfrenta a Ponte Preta no Estádio Serra Dourada. com informações da Tribuna

Copa do Brasil – Quarta – Finais
Vasco da Gama 1 x 1 Corinthians
Internacional 3 x 1 Coritiba

Libertadores
Cruzeiro 2 x 1 São Paulo
Caracas 1 x 1 Grêmio

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Gallo testa formação mais ofensiva no Bahia

Comentários
Na tarde desta quarta-feira, o técnico Alexandre Gallo comandou um treino tático no Fazendão, onde promoveu algumas mudanças na equipe considerada titular, como as entradas de Rubens Cardoso no meio de campo e uma nova dupla de ataque, formada por Lima e Alex Terra.

O treinador tricolor separou o grupo titular em um dos campo do Fazendão, corrigiu posicionamentos e ensaiou jogadas de ataque, defesa e bola parada.

No campo nº 1, os demais atletas disputaram um mini-coletivo, utilizando metade do gramado. Depois de disputar esta atividade, o atacante Joãozinho e o meia Joelson fizeram um trabalho físico, para melhorar o condicionamento.

O lateral Dedé e o meia Élton treinaram na caixa de areia, sob o comando do preparador físico Igor Morena, que montou um circuito de obstáculos para estes dosi atletas, que estão retornando de contusões.

Nesta quinta-feira, o elenco treinará apenas no período da tarde, às 15h00, no Fazendão.

Não é a primeira vez que o trinador Gallo faz experiências com Rubens Cardoso na meia, na semana passada os treinamentos foram iniciados assim, com Ávine na lateral.

No campeonato baiano, houve jogo em que esta formação foi testada no segundo tempo, salvo a memória, contra o Atletico em Pituaçu, quando o tricolor goleou em 6 a 0.

Nessta situação Avine e Rubens Cardoso se revezam, principalmente quando atacam, à época eu gostei. Certo mesmo é que o Bahia precisa dar mais ofensividade ao time, que do meio para trás vem correspondendo muito bem.

Sudesb pretende continuar controlando o acesso aos jogos do Bahia

Comentários
Tem coelho nessa cartola

Depois do inusitado caso de falta de ingresso durante a partida entre Bahia e Ceará, quando os portões foram abertos para permitir o acesso dos que não conseguiram comprar as entradas, eis que a empresa responsável pela confecção venda e controle do acesso ao estádio se prontifica a ressarcir o Esporte Clube Bahia dos prejuízos financeiros da ocasião. Claro, que para tanto, um acordo de cavalheiros terá de ser selado, pois que, difícil será quantificar a demanda da gratuidade.

Chamado a opinar sobre o incidente, Bobô, superintendente da Sudesb, órgão contratante da tal empresa, sem licitação por sinal, sob a alegação da urgência para liberação do estádio, se pronuncia a respeito. Reconhece o prejuízo tricolor, mas de forma bem sutil, bem ao seu modo, aproveita a oportunidade para criticar o Bahia de não haver fornecido uma previsibilidade de público para os seus jogos, nem a Outplan nem a própria Sudesb.

O que nos deixa perplexo sobre essa afirmativa de Bobô é que a grande propaganda sobre esta nova fornecedora foi justamente a não necessidade dessa informação por parte do anfitrião do jogo, já que os ingressos serão produzidos conforme a demanda, para que então a informação prévia da demanda de público? Melhor, porque será que Bobô está a introduzir esse novo elemento nas relações com o Bahia?

Outra pergunta que não quer calar, é: Se o Bahia é, conforme diz o estatuto do torcedor, o responsável pelo acesso, situação inclusive questionada pelo MP também, sendo a Outplan contratada apenas por conta da urgência alegada pela Sudesb, quando da entrega do estádio, porque Bobô já preparou uma nova licitação? Essa afirmativa de Bobô deduz claro, suas intenções de seguir controlando o acesso ao estádio, passando por cima do Estatuto do Torcedor, do desejo do Bahia, principal interessado e em desobediência ao Ministério Público.

Bahia quer manter percentual fora de casa

Comentários

Tudo bem que foram disputados apenas três jogos até agora. Mas, as contas da Série B do Campeonato Brasileiro precisam começar desde cedo. E para o Bahia alcançar o objetivo de voltar à elite do futebol nacional no próximo ano tem que aprender uma lição desde já: continuar sendo um visitante indesejado.

No ano passado, o Grêmio Barueri, quarta equipe na classificação final da Série B, somou 57 pontos em 19 jogos disputados. Do total, 23 foram conquistados longe de seu torcedor (sete vitórias, dois empates e dez derrotas), o que garantiu ao time do interior de São Paulo um aproveitamento de 40,35% como visitante.

Se forem levados em conta os jogos do Bahia fora de casa nesta temporada, o tricolor está no caminho certo. Somando os jogos do Campeonato Baiano, Copa do Brasil e Série B, foram 16 atuações em solo adversário.

Se todas estas partidas estivessem valendo três pontos em uma única competição, o time do técnico Alexandre Gallo teria somado a mesma quantidade do Barueri, sendo que com três jogos a menos. Foram 23 pontos conquistados (seis vitórias, cinco empates e cinco derrotas) o que dá um aproveitamento de 47,91%. Número que garantiria uma boa folga ao tricolor para garantir a permanência entre os quatro primeiros colocados da Série B.

Só que para manter esta média, o Bahia precisa voltar a vencer fora de casa. A última vez em que isto aconteceu foi no dia 19 de abril, no primeiro jogo da semifinal do Campeonato Baiano, quando derrotou o Fluminense por 2 a 1. Com informações de Raphael Carneiro da Tribuna Online

Arthurzinho vence, Figueirense em declínio

Na abertura da quarta rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, aconteceu o confronto dos piores times da temporada. E quem levou a pior foi o Fortaleza, que perdeu do ABC, por 2 a 1, de virada, nesta terça-feira à noite, em Natal, no Estádio Frasqueirão. Esta foi a quarta derrota consecutiva do tricolor cearense e a primeira vitória do técnico Arthurzinho no comando do ABC de natal

O Figueirense deu continuação a seu pequeno declínio na Série B do Campeonato Brasileiro. Após um bom início, com duas vitórias, a equipe catarinense acumulou seu segundo jogo sem vitória ao empatar por 2 a 2 com o Ceará, no Castelão. Confira abaixo detalhes dos jogos de abertura da quarta rodada da série B

Jogos da série B de terça-feira
ABC 2 x 1 Fortaleza
Ceará 2 x 2 Figueirense

terça-feira, 26 de maio de 2009

Jhasmani ganha elogios de ex- companheiros

Comentários
Sem pestanejar, Itacaré soltou o elogio. Ao estilo boleiro. “É craque. Meia-esquerda, canhoto todo! Tava perdido na Bolívia”, garantiu. Em seguida, consertou. “Jhasmani esteve para ir à Ucrânia, mas não acertou. Ele é bom demais para estar lá”.

O atacante do Vitória jogou com o novo contratado do Bahia, Jhasmani Campos, ano passado, pelo Oriente Petrolero, ex-clube de outra cria da Toca, Marcelo Moreno. Em Outubro, o meia passou alguns dias no ucraniano Dínamo de Kiev. Nada de negócio.

“Fiz 11 gols em 10 jogos. Uns oito com passe do moleque. É rápido e habilidoso”, descarregou Itacaré, como metralhadora. “Mas a torcida tem que dar o tempo dele se adaptar ao Brasil. Não é fácil chegar em outro país e já sair jogando”, afirmou, aos 22 anos, com a experiência de também já ter jogado na Suécia e no Japão. O colega tem 20. “É gente boa, já tem até um filhinho”.

Júlio Camargo, atual auxiliar técnico de Paulo César Carpegiani no Vitória, conheceu o boliviano em 2005. Treinava o júnior do Grémio, quando o gringo chegou para fazer o último ano de juvenil. “Aos 17 anos, batia bem na bola e tinha refino técnico. Foi muito bem conosco, mas terminou não acertando. Por um ano, ainda tentei trazê-lo da Bolívia”.

Camargo nunca mais viu Jhasmani atuar, contudo, elogiou a contratação. “Não sei se ele teve uma linha de progressão como prometia, que era a de um grande jogador. Mas, se soubesse que estava disponível no mercado, teria pelo menos uma conversa com ele”. E, de quebra, deu a dica. “Ele é de refino, não de velocidade. Tem que ter alguém rápido no lado”.

PROBLEMAS

O atual semestre não foi bom para Jhasmani. Em Janeiro, operou de hérnia iguinal. Depois, algumas lesões e, segundo o site Red Bolívia, em matéria de 21 de Maio, atualmente “se recuperava de dengue clássico”. “Vamos sentir falta. Sabemos que Jhasmani é um grande jogador e estamos seguros que vai representar bem a Bolívia”, disse o técnico do Oriente, Pablo “Vitamina” Sanchez. Com informações do Correio

Pra cima deles Bahêa!!!

Comentários
Os que acreditam em sereia, também entendem das coisas do mar.

Muito se reclama da meiuca do tricolor, mas o ataque é mesmo que deixa a desejar. Alguns dizem logo, mas se a bola não chega, qual atacante vai resolver. Mas não tem sido bem assim que a banda vem tocando não, verifiquem, pois, durante o jogo Bahia x Paraná quantas oportunidade foram perdidas pela inoperância ofensiva do Bahia, mesmo esse jogo contra o Ceará, que o Bahia atuou mais defensivamente, houve oportunidade bem mais clara de gol pelo Bahia em lances na área pequena aonde o Reinaldo Alagoano não chega bem para concluir. Muitas oportunidades tiveram o Ceará, é fato, mas nenhuma foi tão contundente quanto o gol perdido pelo tal alagoano.

A contratação do boliviano Jhasmani precisa ser mais bem explicada pela diretoria do Bahia, por exemplo, a qual propósito esse perfil de jogador atende? Pelo que circula por aí, o jogador sequer vai estar disponível para uso imediato, se é assim, que pelo menos informem à torcida para que as especulações não tragam tantos prejuízos no conceito organizacional do tricolor, aliás, única razão ainda capaz de barrar as iniciativas de desprezo que se desenha por aí, nessa nova levada do Bahia.

Outro ponto muito importante agora é não ceder às pressões e trocar de treinador, expediente sempre desnecessário que só constrangimento e incertezas produzem. Ainda que Gallo não nos apresente um time consistente, devemos antes ter a consciência se de fato ele tem o material suficientemente bom, pois que, de nada adianta substituir o treinador se não há comandado, eficazes, para a proeza da classificação.

Opiniões todos têm e são de direto exprimi-las também, inda mais sendo o Bahia o que é, e é baseado nisso, aí vai a minha: Para uma futura classificação à Série A, o Bahia precisa além de não perder pontos em pituaçu que fature pelo menos umas três partidas fora de casa, para tanto precisa ousar mais. Jogar de forma covarde como foi contra o São Caetano não leva a nada, pois quando muito arranca um ponto do oponente o que de certa forma não traduz muita coisa, defendo a tese de que ao sair é a oportunidade que se tem de uma exposição maior, assim acredito que contra a Portuguesa o Bahia bem poderia montar um time mais ofensivo com Beto caindo pela direita formando um trio de atacantes ao invés de Ananias, caindo das pernas.

O Gallo entristeceu

Comentários
Eu vejo um Gallo triste, um galo que procura no Bahia sua afirmação, já que no Inter e no Santos não conseguiu se firmar como grande técnico. Gallo, apesar de campeão pernambucano pelo Sport, foi para o Inter interrompendo um trabalho que ainda engatinhava, coisa que Nelsinho Batista não fez. Elogiado, Nelsinho Batista, fez vista grossa para a oferta do Grêmio, sua recusa lhe rendeu elogios da mídia sudestina. Gallo gostaria de receber um elogio assim dos seus concidadãos sudestinos. Mas, hoje, Gallo não é mais unanimidade no Bahia quando, aqui, chegou referenciado pela maioria da torcida tricolor.

Sozinho, o técnico do Bahia, aos olhos mais atentos, não consegue acertar nas substituições e aprumar o time para o resto do campeonato. Acredito que Gallo se não tivesse o perfil de cidadão midiático de boa aparência, sem grandes escândalos na sua carreira de jogador e de passagens, mesmo que infelizes, por grandes clubes do sudeste do país não estaria mais no Bahia. Por isso, o treinador do Bahia consegue se manter no cargo apesar da avalanche de críticas justas que tem recebido. Já tivemos recentemente treinador no Bahia que por muito menos deixou o clube.

Mas, o que se esperar do Gallo como técnico? Não estamos exigindo do técnico do Bahia uma maturidade que ele não tem ainda? Gallo veio como um “superstar”; estrela que disciplinou a oportunidade de entrevistas, e colocou exigências antes nunca suscitadas pelos técnicos que aqui passaram. Para muitos, um sinal negativo, para outros um sinal que estaríamos entrando numa nova era no Bahia. Mas, a taça de campeão baiano de 2009 não veio, o time se apresenta mal em sua casa na série "b', e quando saiu para jogar contra o São Caetano perdeu. O time, mesmo com todo o tempo do mundo que teve, não apresenta um padrão definido de jogo.

Nada de novo, portanto, na trajetória de Gallo no Bahia quanto a resultados práticos que traduzissem sua contratação em títulos para o Bahia, e nenhuma segurança quanto a quem entra e sai de campo. O que carece o Bahia é de um pouco mais de ousadia do técnico do tricolor. Talvez, um técnico mais eficiente quando efetue suas substituições. O time do Bahia precisa de uma segurança que o tempo não dá com a experiência, e a segurança vem através das vitórias. O torcedor do Vitória, nestes termos, parece mais exigente.

Aeroportos terão R$ 5 bilhões para Copa-2014

Comentários

No ar, a questão do transporte para a Copa do Mundo de 2014 ainda é uma incógnita. No solo, e no tempo em que aviões e turistas vão gastar nele, a questão parece mais adiantada. Passa por promessas de investimentos bilionários nos aeroportos do país e, se for o caso, uma dose de improvisação para evitar, em pleno Mundial, a repetição dos apagões aéreos que pararam os aeroportos brasileiros em 2007.

A Infraero, estatal responsável pelos aeroportos do país, afirma ter um detalhado plano de investimentos nos aeroportos das cidades que vão abrigar os jogos do Mundial.

A empresa considera que essas obras serão suficientes para adequar o país à demanda de passageiros na Copa. Mas também tem um plano B. "Caso seja necessário, procedimentos operacionais diferenciados podem ser implementados durante a realização dos jogos, visando dar maior celeridade, conforto e segurança aos usuários", diz a empresa, por meio de sua assessoria. A nota não esclarece quais normas de operação podem ser alteradas durante o torneio.

Pelos planos da Infraero, não vai faltar dinheiro para equipar os aeroportos do país que vão servir os torcedores em 2014. Estão programadas obras que vão custar mais de R$ 5 bilhões em 14 aeroportos brasileiros.

O plano ainda prevê desde construções de terminais inteiros, como o terceiro de Cumbica, até obras mais simples, como a montagem de novas pontes de embarque em Recife. Algumas dessas melhorias estão previstas para serem entregues poucos meses antes da Copa.

A Infraero diz que esses investimentos não vão acarretar aumento nas taxas de embarque do país, que já estão entre as mais caras do mundo. Em Cumbica, a tarifa para voos internacionais é de US$ 36, o equivalente a R$ 73.

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Vitória fará festa para Salvador na Copa

Comentários

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) mudou o horário do jogo entre Vitória e Grêmio no próximo domingo, e deu início à preparação da festa na Bahia. Sob a expectativa de receber a notícia de Salvador como sede da Copa do Mundo no meio do jogo, o clube rubro-negro prepara uma comemoração que pode ter até Ivete Sangalo.

A situação é parecida com aquela vivida pelo Flamengo, que enfrentaria o Atlético Paranaense, no Maracanã, no próximo sábado. Como o anúncio da Fifa deve acontecer mais ou menos às 16h, no seu Congresso nas Bahamas, a CBF teria mudado a partida para o domingo para que Ricardo Teixeira pudesse fazer o anúncio oficial no telão do estádio.

Na Bahia, a partida aconteceria às 18h30 do domingo, e teria sido antecipada pelo mesmo motivo. Contando com isso, o Vitória já convidou Orlando Silva Jr., ministro do Esporte e torcedor do clube, políticos do Estado e a cantora Ivete Sangalo, que animaria o público.

"Estamos tratando de tudo com muita tranquilidade, mas muito confiantes de que seremos escolhidos. [A mudança] é praticamente uma confirmação, segundo quem é do meio", disse Ricardo Azevedo, diretor de marketing do Vitória.

Curiosamente, o melhor da festa não será no Barradão. Desde o início, a Fonte Nova é a opção apresentada pela capital baiana, e a casa rubro-negra deve servir, no máximo, para treinos das seleções, assim como o estádio do Pituaçu. Com informações do site Máquina do Esporte

Leandro chega ao Vitória nesta terça-feira

O técnico Paulo César Carpegiani ganhará nesta terça-feira (26) um importante reforço para o Campeonato Brasileiro e para a Copa Sul-Americana de 2009. O lateral Leandro, que já passou pelo Vitória, chega a Salvador por volta das 9h55, e seguirá do Aeroporto Internacional de Salvador diretamente para uma clínica localizada no bairro de Brotas, onde realizará exames com o médico José Olímpio Azevedo.

Bahia acerta a contratação do meia Jhasmani

Comentários

A diretoria do Bahia confirmou na tarde desta segunda-feira a contratação de mais um reforço para a disputa da Série B do Campeonato Brasileiro. Com passagem pelo futebol brasileiro (atuou no Grêmio em 2005), o meia boliviano Jhasmani Campos foi emprestado ao time tricolor até o final do ano.

Com 20 anos, o meia, além do Grêmio, atuou no Tahuichi Academy (1997-2005) e Oriente Petrolero (2006-2009). Pela seleção boliviana, Jhasmani tem seis participações.

Depois da vitória sobre o Ceará, a sua segunda no Brasileiro da Série B, o Bahia volta a jogar no próximo sábado, contra a Portuguesa, em São Paulo. Com sete pontos ganhso e em terceiro lugar, a Lusa tem um ponto a mais do que o Bahia, que ocupa a sétima posição.

Apesar da chegada de Campos, no entanto, o Bahia tem encontrado dificuldades de contratar um meia direita. Alguns jogadores já foram procurados, a exemplo de Preto, da Portuguesa, e Camilo, que foi emprestado pelo Cruzeiro ao Barueri. Antes, a diretoria havia tentado o meia canhoto Luciano Henrique, do Sport, mas não teve sucesso.

Ficha Técnica
Nome: Jhasmani Campos Dávalos
Nascimento: 05/10/1988
Naturalidade: Santa Cruz de la Sierra-BOL
Altura/peso: 1,74m/64kg
Carreira: Tahuichi Academy (1997-2005), Grêmio (2005), Oriente Petrolero (2006-2009)
Atuações pela seleção: 6

Confira aqui alguns bons momentos do novo contratado

Alexandre Gallo monta um novo time no Bahia

Comentários
O sofrimento da torcida tricolor na Série B do Campeonato Brasileiro promete ser grande. A não ser que o técnico Alexandre Gallo resolva mudar drasticamente a postura e a formação do Bahia para os próximos jogos da competição. Caso contrário, a paciência do torcedor pode acabar, como aconteceu no sábado, quando mesmo vencendo o Ceará por 1 a 0 no Estádio Roberto Santos, no Parque Metropolitano de Pituaçu, o time levou uma sonora vaia ao final da partida.

Mais uma vez, o Bahia apresentou uma queda na segunda etapa da partida. Não fosse o gol do zagueiro Evaldo aos 15 minutos do primeiro tempo, poderia ter acontecido o primeiro tropeço da equipe dentro de casa na Série B. Mas, com os três pontos garantidos, o tricolor chegou aos 6 pontos e subiu para a sétima colocação. No próximo sábado, a equipe vai a São Paulo para enfrentar a Portuguesa.

Além dos três pontos, a única coisa boa da partida de domingo foi a estreia do jovem Marcos. Com 19 anos, o jogador que foi contratado para as divisões de base teve de assumir a camisa 2 depois da lesão de Dedé. E, pelo que jogou no sábado, Marcos não deve sair tão cedo do time titular.

Por outro lado, o Bahia mostrou que precisa de muitas mudanças. E elas realmente devem acontecer. O time não marca um gol no segundo tempo há mais de um mês e, para mudar isto, Gallo inicia a preparação na tarde de hoje. São grandes as chances de o meia Joélson ganhar uma chance na equipe.

Já as vaias do torcedor ao final da partida não caíram muito bem. Fizemos um jogo de altos e baixos em mais um dia ruim", resumiu o treinador Alexandre Gallo. Já o goleiro Marcelo mostrou-se irritado ao ser questionado sobre a queda de rendimento da equipe no segundo tempo. "Na minha opinião, nós jogamos com garra e fizemos um ótimo segundo tempo. Do contrário não teríamos saído com a vitória", disparou.

O que os jogadores gostaram mesmo foi a atitude da Torcida Organizada Bamor. Mesmo com o time jogando mal, a torcida cantou durante todo o segundo tempo e, ao final da partida, vibrou com a conquista dos três pontos dentro de casa. Por isto, todos os atletas foram agradecer e aplaudiram o comportamento da torcida organizada.

O Bahia deve anunciar hoje a contratação do meia boliviano Jhasmani Campos Dávalos. Revelação do futebol da Bolívia, ele pode ser a solução para o meio de campo do tricolor, que tem se apresentado sem criatividade neste início da Série B do Campeonato Brasileiro.

Pelo Oriente Petrolero, Jhasmani marcou 12 gols em 77 partidas. Na seleção boliviana atuou no time Sub-20 e marcou dois gols em quatro partidas e na equipe principal participou da Copa América de 2007, marcando um gol. Com informações da Tribuna/Adaptadas

domingo, 24 de maio de 2009

Pituaçu, de tão cortejado, segue esfarrapado

Comentários
Pitu-aço, pitu-azul, Monumental do Parque ou simplesmente Estádio Roberto Santos, muito festejado, muito desejado, contudo segue mesmo é a saga de maus presságios herdado da velha Fonte Nova que se despediu matando vários torcedores do Bahia. Construído na perna, sob protestos reais, irreais, pendengas jurídicas e ambientais, a um preço exorbitante se observados os parâmetros de apenas adequação, apesar de ser uma quase construção. Foram quase 60 milhões gastos sem licitação e muitas insatisfações.

Tão logo as primeiras chuvas caíram sob a capital baiana, logo pituaçu deu sinais de sua fragilidade, apesar de ter sido requalificado a partir, inclusive, de um período bastante chuvoso de 2008, quando ficaram interditado suas obras por conta do aguaceiro, motivo que poderia servir de exemplos para prevenir os estragos futuros.

Um breve passeio nos arredores do estádio se constata logo um abandono generalizado, tapumes em lugar de muro caído, mais parece uma obra inacabada do que um estádio pronto para uso. Equipamento de toda sorte foram abandonadas no entorno e a erosão vai corroendo suas estruturas. Acho mesmo que pituaçu muito mal vai servir até a copa do mundo, depois o ostracismo deve ser seu lugar comum.

Assim que se chega a pituaçú observa-se o passeio afundando em diversos pontos, o pedestre corre risco de uma torção de tornozelo de tantos desníveis. Os taludes feitos na parte externa desceram juntamente com a grama plantada.

Segundo o site galaticosonline.com.br o material abandonado nas entradas dos fundos, utilizadas pelo times para acesso ao estadio, são do placar e outros equipamentos previstos e não aplicados. Enquanto isso o placar eletrônico instalado segue alugado, gerando custos desnecessários, Que venha logo 2014 quando a iniciativa privada deve fazer o serviço mais decente.

O Bahia sem inspiração

Comentários
"Se todos fossem iguais a você, que maravilha viver...". Nesta canção, Vinicius elogiava as pessoas e a vida que se elevavam face à miséria da qual todos estamos submersos. A poesia, assim, nos engradece e nos purifica. Mas, a poesia junto à música e as belas mulheres são primas de uma intimidade sagrada como os vinho aos Deuses. E o futebol do Bahia, que tanto nos mobiliza, não tem mais nada de beleza nem poesia? Já colocaram o futebol do Bahia à categoria de arte, quando em muitos versos musicados saíamos cantando da velha Fonte Nova. Com todo o respeito ao futebol baiano, essa dimensão de arte cada vez mais está distante dos gramados quando vejo o Bahia jogar.

Não há como ver beleza no Bahia, hoje. O Bahia faz da mediocridade e de um resultado pífio, frente a uma equipe em crise, como era o Ceará, motivo de comemoração. Só para fazer um paralelo entre o Bahia de Alex Marahão e o Bahia de Baiaco, eu me detive a catucar a dignidade e a simplicidade do segundo, que se comunicava com a torcida do Bahia dentro de campo, sem precisar de brincos, chuteiras coloridas, retoques e exibicionismo. Enfim, eu parei para rezar e rememorar alguns ídolos do nosso Bahia, como; Baiaco, Roberto Rebouças, Marito, Biriba e etc.

Mas, hoje, a nossa sina é mesmo presenciarmos a cada jogo a mais pura comédia pastelão, da pastelaria de seu "mané" mesmo. Se estivéssemos num espetáculo circense estaríamos mais satisfeitos porque não estaríamos sendo enganados. Esperamos a dignidade de um Baiaco e um Sapatão, a elegância de Bobô e os dribles de Charles, mas o que estamos presenciando é a velha propaganda enganosa. Queria um time pelos menos mais sintonizado com nossas melhores tradições de apreço à nossa torcida que vai ao estádio para ver um espetáculo de futebol.

Esboço minhas solidariedade e minha indignação junto à parte da torcida do Bahia que vaiou esse "timeco" de segunda divisão que entrou em campo contra o Ceará. Esse não é o Bahia que merecemos nem podemos imaginar nos nossos piores pesadelos. Esse Bahia ainda é o fantasma do Bahia da terceira divisão que nos persegue. Que o time do povo da Bahia se espelhe em suas melhores tradições e superem os desafios que a competição impõe com mais dignidade.

PS.: Parabéns ao Timbu! Grande virada no segundo-tempo, que empolgou esse velho coração tricolor.

Confira os jogos da 3ª rodada do Brasileirão
Corinthians-SP 2 x 0 Barueri-SP
Goiás-GO 0 x 1 Internacional-RS
Atlético-PR 2 x 3 Náutico
São Paulo-SP 0 x 0 Palmeira
Fluminense-RJ 1 x 4 Santos
Grêmio 2 x 0 Botafogo
Avai-SC 2 x 2 Coritiba-PR

Santo André-SP 1 x 2 Flamengo
Sport 2 x 3 Atlético-MG

Classificação - aqui

Rescaldo

Comentários
Salvos pelo gongo - Foi assim que assistimos aos jogos dos dois baianos ontem. Pelo Bahia, para que a vitória de um a zero enfim se confirmasse logo e os três pontinhos garantissem uma posição um pouquinho melhor. Pelo lado do Vitória que as bolas não entrassem tanto, de forma que o Cruzeiro pensando em poupar-se por conta da Libertadores, diminuísse o ritmo, o que de fato aconteceu, senão o chocolate seria desestimulante.

Galícia x Bahia de Feira I – Dois dos tradicionais Clubes do passado baiano vão se digladiar a favor do provincianismo exacerbado, dessa vez vai ser salutar, porquanto, melhorias há de ser verificadas no futebol baiano, pelo menos, nos níveis imediatos, resta saber se mais pra frente os ganhos de agora serão de fatos aproveitados ou tudo não vai passar mesmo de uma briga para desviar o foco de prováveis fracassos no campeonato brasileiro. Era só o que faltava: Bahia e Vitória se engalfinharem agora na 2ª divisão do campeonato baiano, certamente pagarão no futuro um preço bem maior.

Galícia x Bahia de Feira II – O presidente do Juazeirense, Roberto Carlos, afirma: “Se o Galícia subir atrapalha o Bahia em Pituaçu. Se o Bahia de Feira subir, fica tudo como está.” Não é demais saber que o tal Roberto Carlos é deputado e deve mesmo saber do que esta falando. O Esporte Clube Bahia, pois, que ponha suas barbas de molho. De qualquer forma, o Vitória cuida diretamente do Galícia, enquanto do Bahia de Feira quem cuida é o co-irmão Fluminense, ou seja, o tricolor da capital ta de gaiato nessa história, só tem a perder. É como briga de marido e mulher: Se bate na patroa é covarde, se apanha é frouxo. Mas o Bahia não tem como evitar a contenda, para tanto já vai também reforçando o Bahia de Feira, fazer o quê!

BAMOR I – Impressionante a falta de respeito dessas “organizadas”. Durante o jogo contra o Ceará a torcida BAMOR em determinado instante resolveu ir até a pequena torcida do Ceará para hostilizá-la, depois de barrados pela policia voltaram com o rabinho entre as pernas e sofreram estrepitosa vaia da torcida do Bahia localizada nas arquibancadas que estavam defrontes as cabinas de radio. Pois não é que os valentões quiseram reagir na porrada, felizmente que alguns deles mesmos, contiveram sua turba ensandecida.

BAMOR II – Após péssima exibição em campo, apesar de haver vencido o jogo, os jogadores do Bahia capitaneado pelo goleiro Marcelo se dirigiram até a BAMOR para saudá-los, reverência desnecessária porquanto todos os demais presentes mereciam tal consideração. Homenagear aquela turba depois do que protagonizaram nas arquibancadas ameaçadoramente foi um tiro no pé.

Faltaram ingressos I – Depois do jogo iniciado, de repente, algo inusitado, grande volume de pessoas adentrando ao Estádio de Pituaçu. Parecia uma invasão. Depois vieram as explicações: Por falta de ingressos o presidente da FBF autorizou a gratuidade. De quem foi a imperdoável falha? Aliás, quem pagara o prejuízo do Bahia? A torcida tricolor espera que a Sudesb tenha explicações convincentes para tal desmando ou pague os prejuízos.

Faltaram ingressos II – Dizem que os ingressos são impressos de acordo com a demanda. Não justifica, pois que, uma previsibilidade mínima há de ser considerada. Fora Outplan, que suga os cofres do Bahia cobrando R$ 1,70 por ingresso emitido.

Pobreza - O Bahia aproveitou o final da partida em Pituaçu para anunciar a contratação de mais uma meia esquerda, Jasmani é o nome da fera, titular da Seleção sub-20 da Bolívia. Grande coisa, ser titular da sub-20 da Bolívia! Titular por titular, por aquelas bandas, o tal Reina também é, nem por isso prestou para o co-irmão rubronegro, até já foi dispensado.

Aquecimento – A Rádio Sociedade sentiu-se fortemente aborrecida com o fato do Bahia fazer aquecimento atrás do gol, em frente aos vestiários, chamou a turma do tricolor de provincianos e blá, blá, bla... Ocuparam mais ou menos 20 minutos dos seus comentários, ao invés de outros assuntos mais interessantes a um pré-jogo. Consideraram que o Bahia abusa dessa situação em Pituaçu. O que será que ta acontecendo de fato? Parece missa encomendada.

O inventor, como sou maltratado e nossas cláusulas

Comentários

O que se passa na cabeça de nosso treinador é uma coisa que não consigo chegar nem perto. Arma uma equipe para o jogo de estréia no Brasileiro contra o Atlético do Paraná, quando conseguiu uma vitória, e o mais importante, a equipe teve um bom comportamento durante os noventa minutos. Ai vem a quarta feira, primeiro jogo das quartas de final contra o Vasco, em são Januario, e o que faz o nosso treinador: modifica completamente a equipe e o resultado todos nós já sabemos.

Vem o jogo contra o Sport, voltamos a ter uma escalação normal e a equipe tem um comportamento regular , conquistando o triunfo. Chega a tão esperada quarta feira, vou pra o santuário muito confiante em conseguirmos o resultado, porém quando tomo conhecimento da escalação da equipe, ele ressuscita André Luis, que nem no banco e nas relações vinha sendo lembrado, Bida no banco, sem lateral direito. Sinceramente, comecei a temer a sorte do nosso time e, infelizmente, o pior aconteceu. O que vimos foi um time com muita garra e vontade de vencer, porém sem nenhum esquema tático definido.

Por favor, Carpegiane, você não precisa ficar inventando, escale o time com simplicidade e pronto! Lateral tem que jogar na lateral, meio campista tem que jogar no meio de campo, e assim por diante. O mais importante: tem que escalar os que estão em melhor fase técnica e física. É simples ou será que é difícil fazer isso?

Sou Mais Vitória

Nossa diretoria precisa, com urgência, olhar o tratamento que está sendo dispensado aos associados do Sou Mais Vitória na entrada do estádio. As filas são grandes e não me venham falar que é porque o torcedor chega em cima da hora, pois na quarta cheguei às 20h45min e as filas já estavam grandes. Por que não são disponibilizados mais portões para a entrada dos torcedores?

Policia

Gostaria de saber também por que não há revista dos torcedores que entram pelo antigo Campo do Perônio? Será que vamos esperar acontecer algo para fecharmos as portas?

Muitos “torcedores” continuam pulando os muros atrás do gol, que dá para a Paralela. Estão realmente esperando que algo de mais grave aconteça no Barradão para fecharem as portas, quando será tomada alguma atitude por parte de nossa direção para coibir que estes “torcedores” penetrarem no estádio sem convite.

Outro comportamento que está me tirando do serio é a policia não permitir que os torcedores sequer se posicionem próximo aos alambrados do Barradão. Isso é para que todos se sintam em casa quando vierem atuar com o Vitória? De quem partiu essa ordem? Será que vocês não acompanham os jogos fora de Salvador, ou estão achando que os torcedores do Vitória são selvagens?

Setorização

A diretoria anunciou que o Barradão seria setorizado em atenção aos pedidos da torcida, porém até agora nada. O Brasileirão já teve seu inicio e nada da prometida setorização. Quando realmente isso ocorrerá no Manoel Barradas? Será que estamos esperando que aconteça um conflito entre a torcida rubro negra e a visitante, e a provável perda do mando de campo, para realmente acontecer a setorização. Ora, se não vamos fazer, para que anunciar?

O Campeonato

Iniciamos agora uma seqüência de jogos no Brasileiro de suma importância para as pretensões do clube no campeonato. No entanto, para surpresa geral, as noticias ruins aparecem uma atrás da outra. Os jogadores que vieram por empréstimo do Cruzeiro, por força contratual não podem atuar contra a raposa. Uma pergunta: alguns desses atletas não vieram naquela transação que envolveu o Leonardo, que viria para o Vitória, houve uma ponte e o mesmo acabou indo para o Cruzeiro? Pelo menos foi isso que foi anunciado na época. Então, por que estas cláusulas impeditivas? Até que ponto isso é valido, se nos principais jogos não podemos contar com peças fundamentais da equipe? Não estou levando em consideração se alguns desses jogadores estão sendo aproveitados ou não. O que importa é que quando contratamos jogadores o fazemos pensando que essas contratações darão certo. Será que vale a pena esse tipo de contrato, se já iniciamos o Brasileiro sabendo que em algumas partidas não contaremos com esses jogadores? Já imaginaram se hoje esses atletas fossem titulares, o que aconteceria?

Saudações rubronegras!
Cláudio Mattos
Rubro-negro e administrador.
E-mail: cl_mattos@yahoo.com.br

Diretoria do Vitória lança camisa comemorativa

A camisa retrô do Vitória de 1985, lançada na última reunião do Conselho Deliberativo, já está disponível para compras a partir do sábado (23), na loja oficial do clube dos shoppings Capemi (ao lado do Iguatemi) e Center Lapa (Piedade).

O produto comemorativo possui o escudo do clube borado diretamente na camisa, além de gola pólo com visual retrô e tecido listrado em rubro-negro. O torcedor que adquirir a camisa, também ganhará um card numerado contando a história da camisa.